APÓS 17 DIAS: Diálogo promovido por Moretto encerra paralisação dos produtores de leite

Os produtores da bacia leiteira da região Oeste cobravam maior valorização do litro do produto produzido, que estava abaixo da média de Mato Grosso.

Reuniões promovidas pelo deputado Valmir Moretto (Republicanos) colocaram fim à paralisação dos produtores de leite da região Oeste de Mato Grosso. O movimento já durava 17 dias e cobrava maior valorização por parte das indústrias pelo litro do produto produzido.

O fim da paralisação levou em consideração a seguinte proposta: No mês de maio será pago R$ 1,12 pelo litro e R$ 1,22 pelo litro gelado; em junho o preço se mantém e em julho sobe para R$ 1,23 o preço do litro e R$ 1,33 gelado.

Conforme comunicado da Associação de Produtores de Leite do Oeste de Mato Grosso (APLO), “o leite entregue de agosto em diante deve acompanhar o 2º melhor preço do Estado”.

O deputado Valmir Moretto explicou que o aumento vai dar maior condição de trabalho os produtores.

“Nossa região ganhou bastante, não só os produtores, mas também as indústrias. O produtor não vai ficar rico com esse preço, mas vai ter condições de trabalhar e ter o seu rebanho, porque ultimamente ele tem pago para trabalhar”, disse o deputado, agradecendo também a participação do deputado Carlos Avallone nas negociações.

Participaram das tratativas o Sindicato das Indústrias de Laticínio de Mato Grosso (Sindlat-MT); Laticínios Três Marias; Lactivit; Laticínio Rovigo; Laticínio São Luís; Cooperativa Agropecuária do Noroeste (Coopnoroeste) e Vencedor.

DEFESA DO PRODUTOR

O deputado Valmir Moretto lembra que a defesa dos produtores de leite foi um compromisso assumido a partir do primeiro dia de mandato como deputado.

Audiências públicas, reuniões e ações para valorizar o produtor mostraram o tamanho do problema que a classe vinha enfrentando para a sociedade mato-grossense.

As iniciativas visam sanar ou minimizar os prejuízos sofridos pela classe, principalmente após a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que afetou o mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *