ARTIGO: Coração de mãe cabe todo mundo, mas também precisa de cuidados

Sempre ouvimos desde criança que o coração de mãe cabe todo mundo, só que o nível de estresse em uma mulher que é mãe, esposa e ainda profissional em atividade tem um ritmo acelerado e merece atenção também visto que o ritmo da vida moderna da mulher tem contribuído muito para as mortes por doenças cardíacas entre as mulheres.  Isso aumenta em 50% a probabilidade da mulher morrer de infarto se comparada ao homem.

A situação é tão grave que segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde – as doenças cardiovasculares são responsáveis por 1/3 de todas as mortes de mulheres no mundo, o equivalente a cerca de 8,5 milhões de óbitos por ano, mais de 23 mil por dia.

Um dos maiores fatores de morte é que a mulher não percebe os sinais que o coração não anda bem. Um dos principais sinais de alerta está no colesterol. O bom, HDL, deve estar acima de 50 mg/dl. O mau, LDL, abaixo de 100 mg/dl e a pressão arterial não deve passar de 12 por 8.

Sabemos que o aumento da incidência de eventos cardiovasculares na mulher é consequência do envelhecimento natural e do estilo de vida. Somado a esses sinais, outras condições negligenciadas pelas mulheres as transformam em vítimas potenciais, como o crescimento da obesidade, o descontrole do diabetes e dos níveis do colesterol, tabagismo, sedentarismo, o estresse do dia a dia e a pressão arterial elevada resultantes da jornada tripla da mulher moderna aumentou o estresse e a ansiedade – fatores que também as deixam mais suscetíveis aos problemas cardíacos.

Entre as brasileiras, 1 em cada 5 mulheres adultas está em risco de desenvolver doenças cardiovasculares; o infarto em mulheres é mais fatal do que entre os homens.

É que a maioria desconhece que as doenças cardiovasculares são a maior causa de mortes entre as mulheres, com 8 milhões de mortes por ano. Número oito vezes maior do que o de mortes por câncer de mama e pelo desconhecimento, poucas mulheres visitam o cardiologista regularmente.

Até os sintomas de um infarto na mulher é desconhecido. No homem há uma forte dor no peito que irradia para os braços. Na mulher, os sintomas de infarto são: náusea, fraqueza, dores gástricas e falta de ar o que confunde muito com outras doenças e se acaba nem indo ao médico e quando vai já não tem como reverter o quadro.

Então o que fazer? Procure um cardiologista, faça os exames e veja como está seu coração. Mãe também precisa de cuidados. E quando mais tempo você puder ter sua mãe perto, melhor. Por isso, não basta apenas estar no coração dela, é preciso cuidar desse coração para que ele bata feliz por muitos anos! Afinal ter a mãe viva é um privilégio.

Max Lima é médico especialista em cardiologia e terapia intensiva, conselheiro do CFM, médico do corpo clínico do hospital israelita Albert Einstein, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida , Saúde e Diagnóstico. CRMT 6194

Email: maxwlima@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.