Capacidade de produção da CoronaVac está esgotada, diz diretor do Butantan

Brasil aguarda envio de insumos da China

A matéria-prima usada na produção da CoronaVac, vacina contra a covid-19 da farmacêutica Sinovac, “já foi quase que totalmente processada”. A declaração foi feita nessa 4ª feira (20.jan.2021) por Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, que produz o imunizante no Brasil.

Covas participou de coletiva do governo do Estado de São Paulo sobre as ações de combate ao coronavírus. O diretor do Butantan pediu que o governo federal se empenhe para acelerar a importação dos insumos da China.

Peço ao nosso presidente [Jair Bolsonaro] e ao nosso ministro das Relações Exteriores [Ernesto Araújo] que nos ajude a aplainar essa relação com a China e que haja procedimentos, haja solicitação para que os procedimentos burocráticos para esta exportação aconteça no mais curto período de tempo”, disse Covas.

Segundo ele, o instituto aguarda autorização do Ministério das Relações Exteriores chinês.

No governo chinês, a burocracia envolve 3 instâncias. O Ministério da Saúde, o chamado NMPA, que é a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] da China e a aduana. Tem de passar por essas 3 instâncias e, adicionalmente, o Ministério das Relações Exteriores”, falou. “A autorização dessas 3 primeiras instâncias já foi dada. Aguardamos a última.

A vacinação contra o coronavírus  começou nessa semana no Brasil com a distribuição de 6 milhões de doses da CoronaVac, importadas da China. No entanto, a expectativa é que a imunização só avance depois do início da fabricação das vacinas no Instituto Butantan e na Fiocruz (que produzirá a vacina desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford), que está dependente da chegada dos insumos ao país.

O governador João Doria (PSDB) afirmou que não existem problemas na relação entre China e São Paulo. “Não há nenhuma restrição comercial nem a São Paulo nem ao laboratório Sinovac, com o qual temos tido uma relação excelente”, disse.

Há um mal-estar claro do governo chinês com o governo brasileiro. Isso é claro, isso é óbvio”, declarou Doria.

Não é por outra razão que o presidente da Câmara federal [Rodrigo Maia] foi se encontrar hoje [4ª feira (20.jan)], ainda que virtualmente, com o embaixador da China. Há um mal-estar depois de tantas agressões pronunciadas e lideradas pelo presidente Bolsonaro contra a China, contra a vacina da China, contra ‘vachina’ e as outras desqualificações que fez, e manifestações de 2 de seus filhos, Eduardo e Carlos.”

Rodrigo Maia (DEM-RJ) se reuniu nessa 4ª feira (20.jan) com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming. Ao conversar com jornalistas depois do encontro, o presidente da Câmara declarou que o impede a chegada de insumos chineses são problemas “técnicos”.

O embaixador deixou claro que não há nenhum obstáculo político, a tramitação técnica que atrasou um pouco. Mas que eles estão trabalhando junto com o governo para a exportação dos insumos do Brasil”, disse Maia.

O governo federal divulgou nota nessa 4ª feira (20.jan.2021) na qual afirma que “vem tratando com seriedade todas as questões referentes ao fornecimento de insumos farmacêuticos para produção de vacinas”.

Segundo a Secom (Secretaria de Especial de Comunicação) da Presidência, ministros do governo Bolsonaro tem conversado com o embaixador chinês para tratar do tema.

O acordo entre o governo de São Paulo e a Sinovac vai até abril. Até lá, o Brasil terá recebido material suficiente para a produção de 46 milhões de doses. O Butantan tem capacidade para finalizar e distribuir 1 milhão de doses por dia. Para isso, precisa que os insumos cheguem.

Depois de abril, há a possibilidade de um novo pedido de matéria-prima para a produção de outras 54 milhões de doses. Essa aquisição, no entanto, está condicionada a pedido de compra do Ministério da Saúde, que ainda não foi feito.

Nesse momento, não existe ainda nenhuma manifestação nesse sentido [de compra de mais doses], e só tratamos das 46 milhões de doses. Estamos absolutamente ansiosos para saber se haverá a encomenda adicional dessas 54 milhões de doses porque certamente elas serão necessárias. E se houver essa necessidade já prevista por todos, seria bom o ministério se manifestasse para que começassemos a nos preparar para essa produção”, disse Covas.

COMPARTILHE ESSA MATÉRIA:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *