Carreta roubada em Várzea Grande é recuperada e suspeito é preso em Rondonópolis

Uma carreta roubada em Várzea Grande foi recuperada em uma ação integrada da Polícia Civil, através da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Rondonópolis (212 km ao Sul), Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Civil de Mato Grosso do Sul.

No momento em que foi localizada, a carreta era conduzida por F.F.J., que confessou ter sido contratado por um grupo criminoso para levar o veículo até a cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Após a prisão do suspeito e recuperação da carreta, a vítima foi liberada no bairro Engordador em Várzea Grande, e encaminhada ao GCCO, onde foi ouvida.

O roubo da carreta ocorreu na noite de quarta-feira (05), quando a vítima seguia para buscar uma carga, no bairro Souza Lima, em Várzea Grande. Próximo a uma cerâmica abandonada, o motorista foi abordado por três homens armados que anunciaram o roubo e o levaram para o cativeiro, onde a vítima passou a noite sob vigilância de outros integrantes da quadrilha.

As investigações iniciaram após a família do motorista do caminhão procurar a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul informando o desaparecimento da vítima, que tinha previsão de realizar um carregamento em Cáceres, porém não compareceu ao local.

Com base em informações da empresa de rastreamento, foi identificado que o veículo estava em deslocamento passando por Rondonópolis, sendo acionada a equipe da Derf do município. Com apoio da Polícia Rodoviária Federal, foi realizado o cerco no km 09 da Rodovia BR 163, próximo a divisa de Mato Grosso do Sul, onde foi realizada a abordagem do veículo.

Questionado, o suspeito confessou que pegou a caminhão na noite de quarta-feira (05) e que receberia o valor de R$ 1,3 mil para levar o veículo até Campo Grande (MS). Diante da situação, o motorista foi conduzido para Derf Rondonópolis, onde após ser interrogado foi lavrado o flagrante.

As diligências continuam em andamento em Cuiabá para identificar outros envolvidos no crime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *