CONCLUSÃO: Jornalista foi morto a pedradas por não ter dinheiro para pagar “rodada de drogas”

A Polícia Civil concluiu, nesta terça-feira (5), o inquérito sobre a morte do jornalista Marcelo Ferraz, de 38 anos. Os investigadores concluíram que o suspeito Jhon Lenon da Silva, de 21 anos, teria matado a vítima ao descobrir que ele não tinha dinheiro para consumir drogas. Jhon foi indiciado por homicídio qualificado.

De acordo com o delegado Fausto Freitas, o suspeito acreditou, em princípio, que a vítima teria condições de pagar uma ‘rodada’ de drogas, mas teria se indignado ao saber que Marcelo não tinha dinheiro.

Segundo depoimento da suposta namorada do suspeito, quando Jhon chegou com Marcelo na região da Avenida do CPA, disse que ele seria o ‘cheque ouro’, termo usado pelos moradores de rua para alguém que tem dinheiro para patrocinar drogas e usá-las com eles.

Entretanto, segundo o delegado, ao perceber que Marcelo não tinha dinheiro, o suspeito teria se desentendido com a vítima e cometido o crime.

A hipótese de abuso sexual foi descartada. O suspeito disse à polícia que revisou as roupas da vítima em busca de pertences de valor. Porém, outras testemunhas informaram que, no dia do crime, Marcelo não estava com dinheiro, nem cartão, nem celular ou qualquer objeto de valor.

Jhon Lenon está preso desde o dia 1º de outubro. A prisão temporária foi convertida em preventiva e ele permanece detido.

O caso

Marcelo desapareceu no dia 28 de setembro. O corpo dele foi encontrado no dia 30 de setembro, em um terreno baldio do Bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá.

O jornalista foi morto a pedradas. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou traumatismo craniano como a causa da morte.

Segundo a polícia, de acordo com relatos de testemunhas, no dia do crime, estavam Jhon, a suposta namorada dele e outro morador de rua, na Avenida do CPA. John teria se afastado por algum tempo e retornado com a vítima.

Ao se aproximar dos outros, teria dito que Marcelo faria uso de drogas com eles. Marcelo, o suspeito e a namorada dele saíram em direção ao local do crime. Entretanto, antes mesmo de chegarem, Jhon se desentendeu com moça e ela deixou os dois.

A hipótese mais provável, segundo o delegado, é que suspeito e vítima tenham feito uso de drogas, porém, ao perceber que Marcelo não tinha como pagar, cometeu o crime.

Após a morte, Jhon teria ido à casa onde alguns moradores de rua costumam se reunir e contado o ocorrido à namorada e a outros que estavam no local.

A vítima

Marcelo era jornalista e escritor. Ele tinha se formado em direito estava se preparando pra prova da Ordem dos Advogados do Brasil. Segundo a família, era um rapaz calmo. No sábado antes de ser morto, participou de uma festa onde familiares estavam presente. Ao sair de casa, ele disse que encontraria alguns amigos na Praça da Mandioca, em Cuiabá.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *