Covid-19: casos sobem para 22,23 milhões e mortes, para 618,2 mil

Em 24 horas, foram registrados 3.645 casos e 137 óbitos

Usuários do transporte público esperam ônibus em ponto da Avenida Paulista durante a fase vermelha da pandemia de covid-19 na capital.

O total de pessoas que pegaram covid-19 desde o início da pandemia subiu para 22.226.573. Em 24 horas, secretarias de Saúde registraram 3.645 diagnósticos positivos da doença. Ainda há 83.524 casos em acompanhamento, de pessoas que tiveram o quadro de covid-19 confirmado.

A quantidade de vidas perdidas para a pandemia foi para 618.228. Em 24 horas, autoridades estaduais e municipais de saúde confirmaram 137 mortes. Ainda há 2.785 falecimentos em investigação, dados relativos a ontem. Essa situação ocorre pelo fato de haver casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demandar exames e procedimentos posteriores.

Até esta quinta-feira, 21.524.821 pessoas se recuperaram da doença.

As informações estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgado na noite desta quinta-feira (23). O balanço consolida informações sobre casos e mortes enviadas pelas secretarias estaduais de saúde. Mas os totais são parciais, uma vez que Bahia, Goiás, Paraíba e Tocantins não atualizaram totalmente seus dados.  

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil.
Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil. – Ministério da Saúde

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (155.068), Rio de Janeiro (69.381), Minas Gerais (56.604), Paraná (40.874) e Rio Grande do Sul (36.399).

Os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (1.850), Amapá (2.014), Roraima (2.074), Tocantins (3.927) e Sergipe (6.056). Desses estados, não houve novas mortes no Amapá e em Sergipe.

Os dados sobre vacinação seguem indisponíveis desde o início do mês, quando o Ministério informou ter sido alvo de um ataque aos dados de sua base de dados. Até o momento a situação não foi normalizada. 

Fonte: Ag. Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *