Em menos de 15 dias, Mato Grosso realiza terceiro transplante de rim

Órgão foi disponibilizado por outro Estado e possibilitará mais qualidade de vida ao paciente de Cuiabá

Em menos de 15 dias após a retomada do serviço de transplante de rim, Mato Grosso realizou na quinta-feira (05.11) o terceiro procedimento via Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e Central Estadual de Transplantes (CET). Depois do pico da pandemia pela Covid-19, o primeiro transplante ocorreu no dia 24 de outubro e o segundo no dia 29 de outubro. 

O serviço estava paralisado desde março devido à situação de pandemia, mas depois da diminuição dos casos e seguindo protocolos rígidos de prevenção à doença, o trabalho pôde ser reativado. 

Contente com a reativação do transplante, o secretário Estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, espera que muitas vidas sejam beneficiadas. “As nossas equipes técnicas estão absolutamente empenhadas. Esperamos que muitas outras vidas sejam beneficiadas por meio deste serviço ofertado pelo SUS.”

O procedimento ocorreu no Hospital Santa Rosa, em Cuiabá, que atua como unidade credenciada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para esse tipo de cirurgia no Estado.

Ofertado por meio da Central Nacional de Transplantes, o órgão foi disponibilizado de outro Estado e, graças à conscientização da família do doador, possibilitará mais qualidade de vida a um paciente de Cuiabá, que estava no sistema como apto para o transplante.

De acordo com a equipe médica, o procedimento de transplante durou cerca de cinco horas e o paciente segue em recuperação e adaptação. O receptor do rim passou por uma série de exames, dentre eles o PCR, para a possível detecção da Covid-19. A medida é necessária como forma de monitorar a saúde do paciente que será transplantado.

A coordenadora de Acompanhamento e Controle de Transplantes da SES, Anita Ricarda da Silva, explica que para chegar na etapa da cirurgia existe um processo importante e célere realizado pelas equipes da Central Estadual. Ela conta que tudo se inicia quando o órgão é colocado à disposição pela Central Nacional a todos os estados do país. 

Após ciência da oferta do órgão, a equipe estadual faz a análise do rim e sinaliza aceitação caso esteja tudo certo com o órgão. Em seguida, a mesma equipe consulta o banco de dados e filtra os pacientes, de acordo com analise clínica individual, até chegar a um receptor apto para o transplante. 

“Parabenizo a equipe da Central Estadual. Graças a uma gestão que valoriza a vida, a equipe segue trabalhando incansavelmente com o objetivo de ofertar um serviço de qualidade, o que recuperou de volta a confiança da população, que agora pode contar com a gente para mediar doação e transplante de órgãos em Mato Grosso”, celebra a coordenadora. 

A equipe que realizou o transplante foi composta pelos cirurgiões Carlos Eduardo Bouret, Pedro Ernesto Pulcherio e Valter Torezan; pelo instrumentador Luiz Carlos da Silva; pelo circulante da sala Gilson Amorim e pela enfermeira Melissa Cristina Lopes. Também integrou a equipe a anestesista Alexandra do Nascimento Gonzaga, além dos nefrologistas José Carlos Muniz e Vitor Vieira.

Retomada

O transplante renal foi reativado em janeiro deste ano pela SES, após mais de uma década paralisado. O retorno do serviço foi marcado pelo transplante entre as irmãs Glacelise Bettini da Silva Medrado, receptora do órgão, e Carmem Regina da Silva Medrado, doadora. Em março, o trabalho foi interrompido devido à pandemia da Covid-19, mas foi retomado em outubro.

Além dos três recentes transplantes já concluídos, a Central Estadual também registrou outras duas indicações de transplante cujo fluxo foi célere, no entanto o processo só não foi concluído por condições clínicas do paciente doador e do paciente receptor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *