Empresários do Distrito Industrial defendem ampliação do Prodeic

Nova diretoria que toma posse na próxima quarta-feira (22), quer manter diálogo com governo para manutenção e ampliação do incentivo

A diretoria da Associação dos Empresários do Distrito Industrial (AEDIC), eleita para o biênio de 2019/2020, vai priorizar ações para promover e articular políticas públicas que deem as indústrias mato-grossenses as condições necessárias para manter seus empreendimentos, crescer, gerar empregos e fomentar a economia do estado.

A declaração é da presidente da AEDIC, Margareth Buzetti, que foi reeleita para o segundo mandato na condução da entidade. Aposse da diretoria será na próxima quarta-feira, dia 22. Ela aponta que o grande desafio do setor industrial, hoje, em Mato Grosso, é mostrar ao poder público que o setor não têm condições de suportar um aumento na carga de impostos e a necessidade de manutenção de programas como o Prodeic (Programa de Desenvolvimento Comercial e Industrial de Mato Grosso).

Atualmente, as empresas instaladas no Distrito Industrial conseguem manter suas atividades e continuar crescendo graças aos incentivos do programa. Margareth cita, como exemplo, a indústria Ball Corporation, fábrica de latas de alumínio para bebidas, que encerrou suas atividades em Mato Grosso em julho de 2018, após perder os incentivos do Prodeic. Instalada no Distrito Industrial desde 1998, a Ball gerava 150 empregos diretos e mais 400 indiretos através de prestadores de serviços, fabricando dois milhões de latinhas por dia.

“Eles não conseguiram ser reenquadrados no Prodeic. Passamos um ano e sete meses negociando com o Governo do Estado a volta da empresa ao programa, que se manteve com dificuldades neste período, mas a morosidade da administração estadual foi absurda. Depois de um ano e sete meses, a indústria não teve mais condições de operar. Fechou as portas e transferiu suas atividades para Goiânia”, conta Margareth.

A presidente da AEDIC destaca que o Governo tem real necessidade de incremento de impostos, mas isto deve ser feito com aumento da base de arrecadação, com a implantação de novas indústrias, empresas e comércio, “não com criação e aumento de impostos que inviabilizem a atividade industrial. A manutenção e expansão do Prodeic é fundamental para que a base de arrecadação aumente”, afirma a presidente da AEDIC.

Implantado em agosto de 1978, ocupando uma área de 695 hectares, o distrito conta hoje com cerca de 250 empresas instaladas.

Em relação a área do Distrito, um dos problemas enfrentados pela diretoria são invasões imobiliárias na área, sem que a prefeitura de Cuiabá, o Governo do Estado e a Justiça tomem as medidas necessárias para retirar os invasores e coibir novas invasões. “Esta é um problema que temos que enfrentar para podermos ter mais segurança na região”, diz.

A diretoria completa da AEDIC é formada por: Margareth Buzetti, presidente, Domingos Kennedy, 1º vice-presidente, Fernando Kuzai, 2º vice-presidente, Daniel Locatelli, 1º diretor secretario, Heitor Trentin, 2º diretor secretário, Roberto Santiago, 1º diretor tesoureiro, Leonor D. Decésaro, 2º diretor tesoureiro, Alessandro Drescher, 1º diretor social, Rodrigo Nogueira, 2º diretor social e no Conselho Fiscal: Aldo Locatelli, Francisco Antonio de Almenida e Cristiane Marques Caldeira.

A posso da diretoria da AEDIC, biênio 2019/2020 será no dia 22 de maio, às 18h30, na sede da associação, localizada na Avenida Pedro Paulo Faria Junior, S/N, no Distrito Industrial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.