Estudantes das áreas de saúde autorizados a atuarem no combate ao Coronavirus

Senador mato-grossense pediu ao ministro da Educação que portaria seja estendida também aos estudantes das universidades particulares

O Ministério da Educação (MEC) baixou portaria em que autoriza alunos regularmente matriculados nos dois últimos anos do curso de medicina, e do último ano dos cursos de enfermagem, farmácia e fisioterapia do sistema federal de ensino a atuarem no combate ao COVID-19. A medida foi discutida na quarta-feira, 18, pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT) com o ministro Abraham Weintraub, e integra os esforços para  atuação das universidades federais, através dos hospitais universitários, no combate à pandemia

“Tratamos desse assunto porque queremos, cada vez mais, estimular a participação das universidades no cotidiano da população” – frisou o senador, lembrando que ainda no ano passado levou ao ministro da Educação proposta para transformar o novo Hospital Municipal e Pronto Socorro de Cuiabá em hospital escola “como forma de contribuir para a formação de novos profissionais da área com resultados positivos para a população”.

Wellington disse que a expectativa agora é que a comunidade universitária dos cursos da área de saúde possam se mobilizar, o mais rápido possível, para ingressar suas respectivas atuações, na forma da portaria. “Com certeza será um reforma importante e fundamental neste duro momento em que vive a nossa nação” – acrescentou.  

Ao receber a notícia, por telefone, diretamente do ministro da Educação sobre a portaria, Wellington Fagundes pediu que estudantes dos cursos semelhantes das universidades particulares também possam ser admitidos na luta contra o coronavírus. “É um momento importante. Os estudantes querem ajudar e aprender mais na prática – disse o senador. A medida, segundo o ministro, também será avaliada. 

O senador mato-grossense também insistiu na necessidade de que sejam entregues as universidades federais kits para realização dos testes do SARS Cov-2. Ele voltou a apelar ao ministro que diante do quadro de proliferação do coronavírus, trata-se de uma “necessária e importante oportunidade” de o MEC inserir a universidade federal de Mato Grosso nesse atual momento de grave preocupação mundial.

Após trabalhar pela implantação da segunda universidade federal em Mato Grosso, a Federal de Rondonópolis, o senador do PL de Mato Grosso insiste na necessidade de aumentar o número de cursos de Medicina no Estado, assim como de outros profissionais da área da saúde. Para ele, a criação de hospitais escola é fundamental para que os estudantes possam aprender na prática aquilo que está sendo ensinado em sala de aula.

A utilização dos estudantes no combate ao COVID-19, de acordo com a portaria, será em caráter excepcional, e fará parte do estágio curricular obrigatório em unidades básicas de saúde, unidades de pronto atendimento, rede hospitalar e comunidades a serem especificadas pelo Ministério da Saúde, enquanto durar a situação de emergência de saúde pública decorrente do COVID-19 (coronavírus).

A atuação dos alunos deverá ser supervisionada por profissionais da saúde com registro nos respectivos conselhos profissionais competentes, bem como sob orientação docente realizada pela Universidade Aberta do SUS – UNA-SUS, preferencialmente. A UNA-SUS deverá emitir certificado da participação do aluno no esforço de contenção da pandemia do COVID-19, com a respectiva carga horária.

One thought on “Estudantes das áreas de saúde autorizados a atuarem no combate ao Coronavirus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *