LEI SECA: Operação integrada prende 11 motoristas por embriaguez ao volante em Cuiabá

Dos 81 Autos de Infração de Trânsito, 23 foram lavrados por condução de veículo sob efeito de álcool

Mesmo com as constantes operações integradas da Lei Seca em Cuiabá, muitos motoristas ainda insistem em beber e dirigir. Exemplo disso, é que na 36ª edição da operação, realizada em Cuiabá na madrugada desta sexta-feira (20.08), 11 motoristas foram presos por embriaguez ao volante.

Além disso, 23 pessoas tiveram Auto de Infração de Trânsito (AIT) lavrado por conduzir veículo sob efeito de álcool. Outros AITs foram lavrados por conduzir veículo sem habilitação, sem registro ou licenciamento e há ainda seis casos de motoristas que recusam-se a fazer o teste de alcoolemia. Ao todo, 81 AITs foram lavradas.

Vale lembrar que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabelece detenção de seis meses a três anos para o crime, além de multa e suspensão da habilitação para dirigir. Como se trata de uma infração gravíssima, o valor a ser pago pelo condutor penalizado será de R$ 2.934,70.

Nos casos de condutores não habilitados, a fiscalização lavra o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), para ocorrências de menor potencial ofensivo. Na ocasião, 14 condutores não habilitados assinaram o TCO.

No total, 73 veículos foram fiscalizados, resultando na remoção de 43 deles por irregularidades – 33 carros e 17 motocicletas. Dos documentos recolhidos na ocasião, 23 se tratavam de CNHs e três de Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV).

A 36ª edição da operação foi realizada na Avenida Tenente Coronel Duarte, no bairro Porto. Participaram da ação o Gabinete de Gestão Integrada (GGI) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), que coordena as atividades; a Polícia Militar (PM-MT), por meio do Batalhão de Trânsito (BPMTRAN); a Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), por meio da Delegacia Especializada de Trânsito (Deletran); o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT); a Secretaria de Mobilidade Urbana de Cuiabá (Semob) e o Sistema Penitenciário, por meio do Serviço de Operações Especiais (SOE).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *