Mãe e filhos são presos por matar vendedor de roupa no Novo Terceiro em Cuiabá

Após cinco meses de investigação, policiais da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) chegaram aos autores da execução do vendedor de roupas Valdemir José da Silva, 54 anos. O representante comercial foi morto a tiros, em um emboscada, em frente a um bar no bairro Novo Terceiro, na noite do dia 16 de fevereiro deste ano.

Mãe e filhos foram presos acusados de envolvimento no assassinato. Eles foram identificados como Paulo Vinícius Leite, 33 anos, o irmão Luiz Antônio Leite, 36 anos, e a mãe Azenil Gonçalina Leite, 55 anos. Investigação comandada pela delegada Eliane da Silva Moraes aponta que o autor dos disparos foi Paulo. Ele chegou em uma motocicleta e atingiu a vítima na cabeça, pelas costas. Depois que Valdemir estava caído no solo, descarregou a arma, alvejando pescoço, abdome e braços. Valdemir morreu no local.

A motivação do crime seria o fato de que Valdemir não aceitava o relacionamento da ex-companheira D., 49 anos, com Luiz Antônio.

Havia, inclusive, registros policiais de conflitos entre ambos, decorrente de agressões físicas e ameaças trocadas.

Segundo a delegada, logo após o crime, várias denúncias chegaram à DHPP apontando Paulo como autor do homicídio, inclusive pelo fato dele ter contado vantagem sobre o feito em conversas de bar. Ele já possui condenação por roubo, violência doméstica e já foi acusado de tentativa de homicídio.

Ao ver o irmão ser ameaçado pelo ex da namorada, decidiu resolver o problema.

A suspeita da participação da mãe de ambos está no fato de que dias antes da execução, ela ligou para a namorada do filho. Sugeriu que pelo fato de ter obtido medidas protetivas contra o ex-marido, deveria atraí-lo para um encontro e depois chamar a Polícia para que fosse preso. Só assim ele não seria morto e que ela evitaria uma tragédia na família. Este fato indicaria que ela sabia dos planos dos dois filhos de eliminar o Valdemir.

Os 3 presos negam envolvimento. A justiça manteve os três presos até julgamento. (Com Silvana Ribas)

Fonte: Rafael O Bom da notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *