MINISTRO DESTACA TRABALHO DE WELLINGTON POR CIÊNCIA, TECNOLOGIA E VACINAS 100% NACIONAIS

Marcos Pontes agradeceu Congresso pela apreciação de dois projetos que recompõem recursos de Ciência e Tecnologia em mais de R$ 1 bilhão

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, parabenizou nesta terça-feira, 31, o trabalho do Congresso Nacional pela recomposição do orçamento da pasta. Especificamente, Pontes deu destaque ao esforço do senador Wellington Fagundes (PL-MT), relator da Comissão da COVID-19 no Senado e autor de uma Lei que permite que indústrias de saúde animal produzam vacinas contra o novo coronavírus. 

Isso porque, à mesma época da sanção da Lei, Wellington lutou pela aprovação do PLN 06/21, alertando para a queda histórica de recursos. O projeto, aprovado neste ano, assegura R$ 400 milhões extras para o setor. Já o PLN 16/21, que deve ser votado também neste ano, garantirá R$ 700 milhões para investimento em Ciência e Tecnologia. Todos esses recursos beneficiam diretamente o desenvolvimento de vacinas contra a COVID-19.

“Quero aproveitar para agradecer esse esforço conjunto que o Congresso tem feito com o MCTI em prol da Ciência, Tecnologia, Inovações e da educação também. Esse trabalho tem sido extremamente importante, e o resultado estamos vendo aí: vacinas nacionais”, adiantou o ministro. Para ele, o país será completamente independente para vacinas e medicamentos nacionais no ano que vem, “liberando o país dessa dependência em termos de medicamentos”, completou o astronauta. 

As afirmações ocorreram durante a cerimônia de divulgação do resultado preliminar do Chamamento Público de projetos de vacinas nacionais contra a COVID-19, e o anúncio da Chamada Pública Universal de R$ 250 milhões. Foram qualificados estudos e ensaios clínicos do SENAI e das universidades federais de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Ribeirão Preto. 

Wellington Fagundes é relator do Orçamento para o ano que vem na área de Educação, e destacou a importância dos investimentos na pesquisa e ciência como um todo. “É a forma de sairmos da pandemia: linkando a educação com o ministério da Ciência e Tecnologia, e daremos prioridade nisso. Todos estamos unidos nesse objetivo de fazer com que haja vacina no braço de todos os brasileiros, e ainda exportá-las, gerando emprego e renda aqui no Brasil”, afirmou o senador.

Para o senador Luis Carlos Heinze (Progressistas-RS), o novo orçamento será aprovado, “sem sombra de dúvidas”, tendo em vista o desenvolvimento do setor de pesquisas no país. O senador Carlos Portinho (PL-RJ) destacou a relevância do Marco Legal das Startups (que virou lei em 1º de junho deste ano) como mais uma das alternativas para o combate a esta e outras pandemias: “Saber que, dentre os quatro selecionados para o financiamento ministerial, existe uma startup voltada à vacina, mostra que o Brasil está no caminho do futuro, no caminho certo da ciência e da educação”, comemorou.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *