NOVA RODADA DE VACINAS: Segunda etapa da campanha de vacinação Ccomeça nesta quinta-feira, 16

Com o fim da primeira fase da aplicação de vacinas contra a gripe influenza (h1N1), a Prefeitura de Várzea Grande se prepara para iniciar nesta quinta-feira, 16 de abril, a segunda etapa da campanha de vacinação que deverá se estender até final do mês de maio.

Nesta primeira parte da segunda etapa, serão aplicadas 7 mil doses já autorizadas pelo Ministério da Saúde, através de solicitação da Secretaria de Estado de Saúde e atenderão ao público alvo especificados, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doença crônicas não transmissíveis e outras condições especiais, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários.

“Fechamos a primeira etapa com 23 mil doses aplicadas em idosos e funcionários da saúde, agora vamos ver como será a liberação para atendimento desta nova etapa de prioridades definidas pelo Ministério da Saúde e que é importante para dissociar da COVID 19, se temos alguém, imunizado contra a H1N1, qualquer sintoma já remete a avaliação da COVID 19, por isto é tão importante a vacinação que foi inclusive antecipada”, disse Diógenes Marcondes, secretário de Saúde de Várzea Grande.

Diógenes Marcondes lembrou que a vacina contra Influenza H1N1 não imune contra o coronavírus (COVID 19), mas sinaliza por uma tratamento mais eficiente, por isso da importância da mesma que é uma Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG.

“O que a vacina contra influenza H1N1 proporciona é uma maior proteção às pessoas consideradas ‘grupo de risco’ para doenças advindas das síndromes respiratórias graves, como a pneumonia”.

A técnica responsável pela Vigilância em Saúde de Várzea Grande, Relva Cristina Silva Moura, endossa o alerta do secretário e reforça a importância da procura pelas doses contra a influenza. “Esta vacina não tem eficácia contra o coronavírus, porém, neste momento, irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para corona, já que os sintomas são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde. Estudos e dados apontam que casos mais graves de infecção por coronavírus têm sido registrados em pessoas acima de 60 anos, por isso se vacinar contra gripe protege o organismo”.

“As doses estão sendo disponibilizadas de forma fracionada pelo Estado e pela União, até porque a campanha nacional foi antecipada este ano, em razão da pandemia. Para o início dessa nova fase de cobertura vacinal teremos outras 7 mil doses”. Os pontos de vacinação seguem em vários pontos da cidade e mantém o funcionamento das 7h30 às 17h. “O horário estendido de algumas unidades de saúde, que vai até 19h, não vale para vacinas. Não há intervalo para o almoço”, completa Relva.

Assim como houve muita demanda espontânea pela vacina nesta primeira fase da campanha, Relva acredita que para o novo grupo de público-alvo, a rotina contínua pelas doses seguirá em Várzea Grande. “Na medida em que recebermos os lotes {que estão fracionados}, toda a população estará sendo informada sobre a disponibilidade das vacinas em nossas unidades. A prefeitura utilizará de todas as plataformas e meios de comunicação para manter as pessoas atualizadas”.

A campanha teve início em todo o país no dia 23 de março e segue até o dia 22 de maio. A vacina é composta por vírus inativado e protege contra os três vírus da gripe: Influenza A (H1N1), Influenza B e Influenza A (H3N2).

PANDEMIA – Marcondes e Relva chamam à atenção das pessoas que são alvos da campanha para medidas de proteção e higiene, tanto para saírem de casa em busca das doses, como dentro da unidade, enquanto aguardam atendimento. “Pedimos sempre a colaboração no sentido de não fazer aglomeração nos postos de atendimentos, seguindo as regras de distanciamento social e utilizando máscaras. Se possível, ir à unidade de saúde com mínimo de pessoas da mesma família possível e fazer uso de álcool em gel para higienização das mãos, principalmente, ao retornar ao lar”.

LOCAIS –

Clínica de Atenção Básica ‘Dr. Moacir Dellanes’ – Jardim Glória;

Clínica de Atenção Básica ‘Miguel Baracat’ – 24 de Dezembro;

Clínica de Atenção Básica ‘Arminda Sato’ (Marajoara);

Clínica de Atenção Básica ‘Vitor Marques’ (Cristo Rei);

Clínica de Atenção Básica ‘Dr. Lucilo Freitas (Parque do Lago);

Estratégia de Saúde da Família (ESF) – antigos postos de saúde do PSF ‘Manoel Bernardo de Barros’ (Unipark);

ESF ‘Maria Galdina da Silva’ (Vila Arthur);

ESF ‘Margarida Pereira Tavares’ (Manaíra);

ESF ‘Maria José Pedrosa’ (Capão Grande);

ESF ‘Binoca Maria da Costa’ (Manga);      

ESF ‘Lurico Ferreira de Magalhães’ (Souza Lima);

ESF ‘Celestina Gomes Coelho’ (Água Vermelha);

Centro de Saúde (CS) ‘Laurentino Paulo Serqueira’ (Água Limpa);

CS do Jardim Imperial;

CS da Cohab Cristo Rei;

CS do Nossa Senhora da Guia;

CS ‘Celina Batista Dantas’ (Ouro Verde);

e ainda nas unidades escolares:

Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) ‘Albella Curvo de Moraes’ (Mapim);

Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) ‘Maria Pedrosa de Miranda’ (Jardim Petrópolis).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *