Operação Vinculum mira integrantes de organização criminosa que age na prática de diversos crimes em Rondonópolis

Foram cumpridos 20 mandados judiciais decretados pela 7ª Vara Criminal Especializada contra o Crime Organizado

A Polícia Civil em Rondonópolis deflagrou nesta sexta-feira (21.05) a Operação Vinculum com o cumprimento de 20 mandados judiciais de Prisão e de busca e apreensão contra alvos investigados pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (DERF) pelos crimes de organização Criminosa roubo, tráfico de drogas, associação para o tráfico e tortura.

Foram cumpridos dez mandados de prisão preventiva e outros 10 de buscas e apreensões decretados pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá. Seis mandados tiveram como alvos pessoas que já estão presas na Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, em Rondonópolis.

Os demais mandados foram cumpridos nos bairros Jardim Rui Barbosa, João Antônio Fagundes, Jardim Progresso, Jardim Primavera e Jardim Pindorama.

A Operação Vinculum contou com apoio de policiais penais do Sistema Penitenciário em Rondonópolis e da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil.

A Vinculum é a terceira operação deflagrada nos últimos 18 meses pela Polícia Civil em Rondonópolis contra as organizações criminosas, o que soma até o momento mais de 100 presas neste período, além da apreensão de veículos, armas de fogo, dinheiro, bloqueio de contas bancárias e fechamento de estabelecimentos comercias utilizados na lavagem de dinheiro.

Organização criminosa

As investigações tiveram início no mês de fevereiro de 2020 e apurou que grupo investigado integra uma organização criminosa formada por detentos reclusos em unidades prisionais de Mato Grosso, além de outras pessoas que circulam livremente em Rondonópolis e se aproveitam do poder auferido pela facção criminosa para praticarem os crimes de tráfico de drogas, roubos, entre outros.

A organização criminosa investigada age com divisões estruturadas de tarefas entre seus integrantes, sendo responsável por boa parte dos crimes ocorridos na cidade. A equipe da DERF apurou que a divisão de tarefas, ainda que informalmente, tem o objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a quatro anos, em especial os crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Diante do farto material produzido durante as investigações, a delegacia especializada representou pela prisão preventiva, busca e apreensão e outras medidas cautelares.

No decorrer das investigações foram apreendidas três armas de fogo, drogas, veículos, grande quantidade de dinheiro e realizadas quatro prisões em flagrante, assim como foi identificada a participação da associação criminosa em roubos ocorridos na cidade, a maioria praticado com violência e uso de arma de fogo.

Entre os crimes cometidos pela organização destacam-se os roubos ocorridos em 19 de fevereiro do ano passado, quando o grupo criminoso invadiu uma residência no bairro Jardim Pioneiros, rendeu os moradores e roubaram um veículo Toyota Corola, aparelhos telefônicos, televisão e outros objetos. Em outra ocorrência, registrada em 29 de junho, membros do grupo investigado renderam uma família no bairro Vila Aurora e roubaram três veículos de luxo. Um dos criminosos cometeu abuso sexual contra uma das vítimas durante a execução do roubo. Em ambos os crimes, os autores agiam com extrema violência e uso de armas de fogo.

Proibição de show

A Delegacia de Roubos e Furtos de Rondonópolis apurou também que a facção criminosa proibiu a realização de um show na cidade, que estava marcado para o dia 25 de fevereiro de 2020. O músico MC Lan era oriundo de São Paulo e por seu estado de origem foi ligado a uma facção criminosa rival, sendo fato inclusive amplamente divulgado na imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *