Polícia Civil cumpre prisão de autor de bárbaro feminicídio em Primavera do Leste

O autor de um bárbaro feminícidio, ocorrido em no domingo (18.08) em Primavera do Leste (231 km ao Sul), teve o mandado de prisão preventiva cumprido pela Polícia Civil, no final da tarde de segunda-feira (19.08), menos de 24 horas após o crime. Interrogado na delegacia, José de Carvalho, 71, confessou o crime e alegou legitima defesa.

O crime que vitimou Magna Alves Gabriel, de 31 anos, ocorreu por volta das 18 horas de domingo (18), na residência do suspeito, no bairro Centro Leste. Segundo as investigações, o idoso (casado com outra mulher) e a vítima mantinham um relacionamento amoroso há aproximadamente dois anos.

No dia do crime, a vítima foi até a residência do suspeito e após uma discussão, ele efetuou dois disparos de arma de fogo que a atingiram a região abdominal. Em seguida, o suspeito arrastou a vítima para fora da casa, momento em utilizou um facão para efetuar golpes contra a sua cabeça.

Não satisfeito, o idoso atropelou a vítima no momento em que fugia em sua caminhonete Toyota Hilux. A vítima chegou a ser socorrida, porém não resistiu aos ferimentos e morreu no Pronto Atendimento.

Diante das evidências, o delegado Pablo Borges Rigo representou pela prisão preventiva do suspeito, que foi prontamente expedida pela Justiça. Quando o autor do crime se apresentou na Delegacia de Primavera, por volta das 17 horas de segunda-feira (19), já estava com a ordem de prisão decretada, a qual foi devidamente cumprida.

Interrogado, o suspeito confessou o crime e disse que agiu em legítima defesa, uma vez que a namorada foi até a sua residência e ameaçou matá-lo por não aceitar o fim do relacionamento. Ele alegou ainda, que está doente e não podia mais manter relações sexuais com vítima, fato que teria motivado as brigas entre o casal.

O autor do homicídio será encaminhado para audiência de custódia nesta segunda-feira (20). As investigações, coordenadas pelo delegado regional, Rafael Forssari, continuam em andamento para apurar as reais circunstâncias do crime

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *