Polícia Civil prende mulher investigada por envolvimento em morte de rapaz em boate sertaneja

A vítima morreu no dia 20 de janeiro deste ano, após ser alvejada na cabeça por um homem, em uma boate sertaneja na Avenida Beira Rio, na Capital.

Policiais da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá (DHPP) cumpriram nesta quinta-feira (10.09) a prisão temporária de uma mulher que teve o envolvimento apontado nas investigações na morte de Alexandro Penha da Silva, 29 anos, ocorrida na Capital. A vítima morreu no dia 20 de janeiro deste ano, após ser alvejada na cabeça por um homem, em uma boate sertaneja na Avenida Beira Rio, na Capital.

As investigações da DHPP para esclarecer o homicídio de Alexandro, presididas pelo delegado Caio Fernando Albuquerque, identificaram o envolvimento de três pessoas na morte da vítima.

A apuração apontou que o responsável pelo disparo foi um homem de 21 anos, que foi a óbito em agosto deste ano após tentar disparar uma espigarda calibre 12 contra a equipe policial durante ação para cumprimento do mandado de prisão contra ele, no bairro Tijucal.  A ação foi deflagrada após a DHPP receber informações de que o suspeito, que já era procurado, estava escondido em uma residência no bairro e em posse de armas de fogo de grosso calibre.

Morte de Alexandro Penha

A vítima e o investigado estavam em uma festa em uma associação próxima Ao Fórum de Cuiabá, quando teve início um desentendimento entre os dois, que logo depois se resolveu. Após esse episódio, a vítima seguiu para uma festa na boate sertaneja, local para onde também foi o investigado e mais outras pessoas, sendo uma delas a mulher presa nesta quinta-feira.

Em certo momento, quando ambos estavam próximos ao banheiro do local, o investigado foi em direção à vítima e fez os disparos contra Alexandro, um deles atingiu a cabeça. Pessoas que estavam próximas tentaram defender a vítima e três delas ficaram feridas também pelos tiros efetuados.

De acordo com o delegado Caio Albuquerque, as investigações apontaram que o investigado não agiu sozinho, embora os disparos tenham sido efetuados apenas por ele. “As investigações revelaram que o investigado e as pessoas que estavam com ele passaram antes em uma casa para buscar a arma de fogo utilizada no homicídio”, esclarece o delegado, acrescentando que o comportamento da mulher presa, identificado durante a investigação, aponta para a participação dela no crime. O cumprimento da prisão da envolvida contou com apoio da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil.

As investigações prosseguem para localizar e efetuar a prisão do terceiro envolvido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *