Polícia Civil prende servidora de município que desviou entorpecentes e mais dois por associação para o tráfico

Investigação apurou que a droga tera sido vendida em Rondonópolis por R$ 260 mil. Os envolvidos apresentaram gastos suspeitos, com a compra de veículos e pagamento de conta em valor alto

A Polícia Civil cumpriu mandado judicial e prendeu nesta quinta-feira (01) em Alto Garças, no sul do estado, uma servidora do município, que estava cedida temporariamente para atuar na Delegacia do município, investigada por furtar 30 quilos de entorpecente apreendido da unidade policial. Além da servidora, outras duas pessoas foram presas e apreendidos quase R$ 50 mil em espécie, dois veículos e aparelhos eletrônicos.

A investigação da Delegacia de Alto Garças apurou que a suspeita G.G.C.S., de 29 anos, que atuava como escrivã ad hoc (temporária), furtou o entorpecentes da unidade e teria revendido a droga por R$ 260 mil em Rondonópolis. Para executar a ação criminosa, ela procurou um comparsa e ofertado a ele R$ 50 mil para que vendesse o entorpecente.

A partir das informações coletadas inicialmente, o delegado de Alto Garças, José Mauro Dias de Souza representou à Justiça pelos mandados judiciais.

Em cumprimento aos mandados de busca e apreensão, policiais das Delegacias de Alto Garças, com apoio da unidade de Alto Araguaia, localizaram na residência da suspeita quase R$ 50 mil em notas de diversos valores, escondidos debaixo de um sofá. Foram aprendidos ainda dois veículos adquiridos (um Hyundai HB20 e um VW Golf Sportline) com a ação criminosa, celulares e notebooks.


Quase R$ 50 mil estavam escondidos na armação de um sofá, na casa da suspeita

Um dos presos relatou aos policiais que a servidora concursada da Prefeitura de Alto Garças retirou o entorpecente da delegacia e levou no próprio carro até ele, a quem ela prometeu pagar a quantia de R$ 50 mil para que a ajudasse a vender o entorpecente. Ele informou ainda que parte do lote da droga foi enterrada na chácara da avó da suspeita. Em buscas no local informado, os policiais civis não localizaram a droga.

O outro rapaz preso, de 25 anos, é irmão da servidora e teria também participado do crime. Com ele foi apreendido um dos veículos.

Os policiais continuaram diligências para localizar um dos veículos que teria sido adquirido com dinheiro proveniente do crime, uma moto modelo Honda Biz, de cor azul, adquirida pela autuada em Rondonópolis, no valor de R$ 13 mil.

O delegado José Mauro pontua que chamou a atenção da equipe, no início da investigação, o incremento de gastos da suspeita e dois outros dois envolvidos. Ela comprou uma motocicleta no valor de R$ 13 mil e pagou uma dívida de aproximadamente 10 mil em uma loja. Já o irmão comprou um Golf branco, no valor de R$ 28 mil e o comparsa comprou um Golf prata no valor de 34 mil.

Conduzidos à Delegacia, os três foram autuados em flagrante por associação para o tráfico de drogas e a suspeita também autuada por furto. Todos foram encaminhados para as respectivas unidades prisionais.

A servidora foi cedida pela Prefeitura de Alto Garças, após termo de cessão efetuado neste ano, para trabalhar na Delegacia da Polícia Civil exercendo a função temporária de escrivã ad hoc. Ela responderá a dois inquéritos instaurados pela Delegacia da  Polícia Civil, um pelos crimes de furto e tráfico, e em outro pelo crime de associação para o tráfico junto com os dois comparsas. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *