Portugal atravessa o pior momento da pandemia e anuncia mais restrições

Internações sobem 84% em 2021. “País vive catástrofe”, diz em nota

Portugal está atravessando o pior momento desde que registrou o 1º caso de contaminação pelo novo coronavírus, em março de 2020. O país registrou nessa 2ª feira (18.jan.2021) o maior número de mortes por covid-19 em um só dia: 167. O sistema de saúde está em situação crítica e perto do colapso.

O número de casos aumentou de forma alarmante em Portugal. O país teve 6.702 novos casos em 24 horas. Mas os números costumam ser menores no começo da semana por causa do baixo número de testes realizados aos fins de semana. Antes dessa 2ª feira (18.jan), Portugal teve 5 dias seguidos com mais de 10.000 casos diários.

Na 1ª onda de covid-19, o maior valor de novas contaminações em 24 horas foi em 10 de abril: 1.726. Em outubro, quando o país voltou a se alarmar com o coronavírus, eram aproximadamente 6.000 novos casos todos os dias.

Fonte: DGS (Direção Geral da Saúde)

Com o grande número de contaminações, o sistema de saúde do país está no limite. Hospitais de Lisboa e região estão enviando pacientes para outras áreas do país, que também já estão sobrecarregadas. As internações aumentaram 84% desde o começo do ano.

Fonte: DGS (Direção Geral da Saúde)

A Ordem dos Médicos divulgou nessa 2ª feira (18.jan) uma carta aberta para alertar que a “linha vermelha” do sistema de saúde já foi ultrapassada. O órgão afirmou que o país vive uma catástrofe.

Segundo a entidade, os profissionais de saúde chegaram ao ponto de precisar estabelecer critérios de atendimento, pois não há como “salvar todas as vidas”.

Os profissionais de saúde neste momento têm de tomar decisões complexas e muito difíceis em contexto de medicina de catástrofe e de estabelecimento de critérios de prioridade e não conseguem salvar todas as vidas”, lê-se na carta.

São eles que se desesperam perante os limites do sofrimento e da compaixão, à mercê da incapacidade de tratar o outro, e assim são vítimas de burnout e sofrimento ético. São eles que, além dos doentes, sofrem no terreno, e que aguentam a pressão brutal sobre o SNS [Sistema Nacional de Saúde].

Precisamos com urgência proteger os doentes, os profissionais de saúde, toda a população portuguesa. É emergente esmagar a transmissão na comunidade”, declarou a instituição.

Dada a evolução atual da pandemia, precisamos atuar agora com todos os meios para ter resultados consistentes em duas semanas.

GOVERNO ANUNCIA NOVAS RESTRIÇÕES

Desde 6ª feira (15.jan.2021), o país está em confinamento. O comércio não essencial está fechado, o teletrabalho é obrigatório sempre que possível, eventos estão cancelados e restaurantes e cafés só podem funcionar para retirada ou entrega em domicílio.

O governo decretou o que chamou de “recolhimento domiciliar obrigatório” –ou seja, todos os portugueses devem ficar em casa. Só que não foi o que se viu no último fim de semana. Com o abrandamento da onda de frio que atingiu Portugal, muitas pessoas saíram de casa para passear, beber cafés em frente a restaurantes e conversar em praças e jardins.

Por isso, o país vai apertar ainda mais as medidas de restrição. O primeiro-ministro, António Costa, anunciou nessa 2ª (18.jan) uma série de novas medidas. Entre elas:

  • circulação proibida entre cidades nos fins de semana;
  • estabelecimentos comerciais com autorização para permanecerem abertos terão o horário de funcionamento reduzido;
  • proibição de consumo de bebidas e alimentos em frente a cafés e restaurantes;
  • trabalhadores que não possam realizar teletrabalho devem ter um documento emitido pela entidade patronal para poder circular;
  • proibição de permanecer em locais públicos de lazer como praças e jardins.

Estamos vivendo o momento mais grave da pandemia. O que está em causa é a saúde e a vida de cada um de nós e das pessoas que nos rodeiam”, declarou Costa.

Face às novas informações, decidimos acelerar o processo de vacinação nos lares [de idosos], assumindo como objetivo, concluir até o final da próxima semana, a vacinação integral da 1ª dose em todos os lares, salvo onde a existência de surtos nos impede de proceder à vacinação.

Costa alertou que, mesmo com o processo de imunização acelerado, o caminho ainda é longo.

Temos razões para ter esperança porque há uma vacina, mas temos de ter a prudência de saber que o processo de vacinação será demorado e que, até estarmos vacinados, ninguém está protegido. É necessário um sobressalto cívico para voltarmos a conseguir controlar a pandemia.

As medidas entram em vigor assim que o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgá-las –o que deve ocorrer nos próximos dias. Não se sabe quanto tempo o novo confinamento durará, mas o governo Costa avaliou que o período não será inferior a um mês.

COMPARTILHE ESSA MATÉRIA:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *